Projeto auxilia professores e estudantes do magistério para educação inclusiva

Prática da leitura vai ajudar docentes que atuam com crianças e adolescentes que possuem algum tipo de deficiência

Para facilitar a inclusão social e cultural de crianças e adolescentes que possuem algum tipo de deficiência, cerca de 80 professores da rede pública de Curitiba e estudantes do magistério vão receber capacitação especial. Os treinamentos serão realizados durante o mês de maio, no Instituto de Educação do Paraná e serão coordenados pelas também educadoras Carla Viccini, Elaine Minami, Taíne Alves e Cinthia Silva.

As qualificações fazem parte do projeto Leitura: Um caminho para a inclusão que vai apresentar como a leitura tem um papel fundamental na construção do homem enquanto sujeito e cidadão.

A leitura também proporciona diversos benefícios às crianças e adolescentes com algum tipo de deficiência tais como o desenvolvimento global, a socialização e a elevação da autoestima – uma vez que eles podem se expressar de maneira única e pessoal, ampliando as possibilidades de aprendizagem.

Arte como forma de inclusão

“Pelo uso estético da linguagem, o desenvolvimento cognitivo, biopsicossocial e cultural do estudante com deficiência pode ser desenvolvido; uma vez que a fruição literária – tanto na escrita, quanto na leitura – contribui para a formação do ser humano no que tange ao reconhecimento de si e do outro, na leitura de mundo e no reconhecimento de sentimentos e emoções”, explica a mediadora de leitura Carla Viccini.

Já a inclusão social aborda questões como o respeito às diferenças e à participação igualitária dos cidadãos. Nas escolas, a inserção favorece a quebra de preconceitos sociais, estimula as experiências de modo mais colaborativo e contribui para que crianças e adolescentes desenvolvam suas potencialidades.

Pessoas com deficiência em números

De acordo com o Censo 2010, quase 46 milhões de brasileiros (cerca de 24% da população) declararam ter algum grau de dificuldade em pelo menos uma das habilidades investigadas (enxergar, ouvir, caminhar ou subir degraus) ou possuir deficiência mental ou intelectual.

A pesquisa do IBGE constatou que, em relação às pessoas de 0 a 14 anos, 5,3% desse público tem deficiência visual, 1,3% tem deficiência auditiva, 1,0% tem deficiência motora e 0,9% tem deficiência mental ou intelectual.

A deficiência é um tema de direitos humanos e como tal obedece ao princípio de que todos têm o direito de desfrutar das condições necessárias para o desenvolvimento de seus talentos e aspirações, sem ser submetido a qualquer tipo de discriminação.

“Considerando que o papel social da escola é desenvolver as potencialidades dos indivíduos – sejam elas cognitivas, afetivas, sociais e contribuir para a formação de uma sociedade justa e igualitária – é emergente a promoção de ações que estimulem o respeito e as mesmas oportunidades”, destaca a professora Cinthia Silva, que tem formação na área de Educação Inclusiva.

Atividades

As quatro ministrantes vão repassar aos professores da rede pública municipal de ensino de Curitiba e aos estudantes do magistério ações de incentivo à leitura, apresentar profissionais que conhecem a prática diária da Educação Inclusiva, promover encontros com mediadores de leitura, reflexões e atividades para ultrapassar as teorias e instigar a prática.

Serão oferecidos aos participantes duas oficinas de 3h sobre leitura literária inclusiva, duas oficinas de 3h sobre escrita literária para alunos de inclusão, duas oficinas de 3h sobre cultura e leitura em língua estrangeira moderna. Como forma de contrapartida social, também haverá 10 contações de histórias voltadas para centros públicos de atendimento às pessoas com deficiência.

Segundo o educador e filósofo brasileiro Paulo Freire – um dos pensadores mais notáveis na história da pedagogia mundial – “a inclusão acontece quando se aprende com as diferenças e não com as igualdades”. “Dessa forma, esperamos que as crianças e adolescentes com deficiência tenham as mesmas oportunidades para aprender e se desenvolver nas escolas”, completa Carla Viccini.

O projeto Leitura: Um caminho para a inclusão é realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Serviço:

O que: Projeto Leitura: Um caminho para a inclusão

Quando: Durante o mês de maio

Onde: Instituto de Educação do Paraná (rua Emiliano Perneta, 92, Centro, Curitiba)

Para quem: Professores da rede pública municipal de Curitiba e estudantes do magistério

Informações: Mais informações pelo tel. 41-99987-8394, com Carla Viccini

By Mirella Pasqual

Sou jornalista formada pela Universidade Positivo. Sou mãe do Benício e de três vira-latas, o Raj, o Thor e a Mia. Minha coluna fala sobre moda, empreendedorismo e saúde! Sejam muito bem-vindos 😊

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *