Prestes a completar 50 anos, Programa Nacional de Imunizações enfrenta baixa adesão

Por baixa cobertura vacinal, doenças erradicadas no Brasil podem voltar; especialista alerta para falsa sensação de segurança

O Dia Nacional da Imunização será celebrado nesta sexta (09/06)*. A data tem como objetivo chamar a atenção para a *importância das vacinas, tanto para o indivíduo quanto para a saúde coletiva.

Manter a vacinação em dia, inclusive na fase adulta, é um dos melhores métodos para evitar doenças e infecções. Isso acontece porque ao entrarem no organismo, as vacinas – que possuem moléculas mortas ou atenuadas – fazem com o que o sistema imunológico reaja e produza os anticorpos necessários à defesa contra os agentes, o que torna o corpo imune a eles e às enfermidades que causam.

Pioneirismo há 50 anos

O Brasil foi pioneiro na incorporação de diversas vacinas no calendário do Sistema Único de Saúde (SUS) e é um dos poucos países no mundo que oferecem de maneira universal um rol extenso e abrangente de imunobiológicos.

Criado em 1973, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) disponibiliza gratuitamente mais de 300 milhões de doses de vacinas anuais para os estados e municípios, visando a imunização de crianças, adolescentes, adultos e idosos em todo território nacional. Atualmente, o PNI oferece 19 vacinas para mais de 20 doenças.

Falsa sensação de segurança

“Em 2023 o PNI vai completar 50 anos, mas atualmente ele é vítima do seu próprio sucesso. A baixa procura pelos imunizantes pode estar relacionada ao fato de existir toda uma geração que não precisou lidar com surtos das doenças que hoje são preveníveis graças ao PNI”, explica o especialista em patologia clínica e membro do Conselho Regional de Biomedicina do Paraná 6ª Região (CRBM6), Alisson Luiz Silva.

Outros fatores que contribuem para a baixa adesão vacinal são falsas informações a respeito da eficácia e segurança das vacinas, as mentiras e Fake News que circulam pelas redes sociais. “Temos um paradoxo em plena era digital. O que teoricamente facilitaria a propagação da informação e do conhecimento às regiões mais longínquas, tem sido usado para o lado errado. É preciso combater e punir a desinformação e o desserviço à sociedade”, enfatiza Alisson.

Queda na cobertura vacinal

Em dezembro de 2022, o Instituto Nacional de Câncer – vinculado ao Ministério da Saúde – lançou o livro Estimativa 2023: incidência de câncer no Brasil. A obra mostra que são esperados 704 mil novos casos de câncer anuais no país entre 2023 a 2025. As regiões Sul e Sudeste concentram cerca de 70% da incidência.

“O que mais chama atenção é que o câncer de colo do útero em algumas regiões é o segundo mais incidente, ficando atrás somente do câncer de mama. Mas diferente dos outros tipos, o câncer do colo do útero na maioria das vezes é evitável com a imunização que já é ofertada no calendário do PNI desde 2014 e tem como público alvo meninos e meninas entre 9 e 14 anos”, enfatiza o biomédico Alisson Luiz Silva, que também é especialista em hematologia, banco de sangue e imunologia.

Curiosamente, dados recentes divulgados pelo Ministério da Saúde apontam que 87,08% das meninas brasileiras entre 9 e 14 anos receberam a primeira dose da vacina em 2019. Em 2022, a cobertura caiu para 75,81%. Entre os meninos, a cobertura vacinal caiu de 61,55% em 2019 para 52,16%, em 2022.

Conquistas ameaçadas

O grande salto das vacinações em massa no Brasil aconteceu a partir de 1980, com a implementação dos Dias Nacionais da Vacinação como parte da estratégia para erradicar a poliomielite no Brasil.

Marcado por um forte plano de comunicação – com a criação do personagem Zé Gotinha, em 1986 – a ação alavancou as coberturas vacinais e levou a doença a ser considerada oficialmente eliminada do país em 1994.

Em poucos anos, outras enfermidades também foram erradicadas no país como varíola, difteria, rubéola e sarampo. Contudo, o Brasil assiste atualmente a uma diminuição gradual nos índices das coberturas vacinais, de acordo com os dados da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza 2023.

“O sarampo foi eliminado do Brasil em 2016. Porém, a combinação de casos importados, aliados à baixa cobertura vacinal, resultou num surto da doença. Em 2019 tivemos mais de 20 mil casos notificados no país”, ressalta Silva. “A baixa adesão ao PNI acende um alerta e coloca em risco tudo o que já foi conquistado nesses 50 anos”, complementa.

Doenças preveníveis por vacina

Para esclarecer a sociedade, o integrante do CRBM6 menciona algumas doenças que são preveníveis quando se mantém a cobertura vacinal em dia.

“Entre as diferentes enfermidades que podem ser prevenidas destaco a poliomielite, tétano, coqueluche, sarampo, rubéola, caxumba, febre amarela, difteria e hepatite B. Vejam o quanto é fundamental se vacinar para cuidar da saúde individualmente e também da coletividade como um todo”, completa Alisson Luiz Silva.

By Mirella Pasqual

Sou jornalista formada pela Universidade Positivo. Sou mãe do Benício e de três vira-latas, o Raj, o Thor e a Mia. Minha coluna fala sobre moda, empreendedorismo e saúde! Sejam muito bem-vindos 😊

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *