Dia da Saúde e da Farmácia: Estudo analisa hábitos populares no uso de plantas medicinais

Acadêmicos da área de Saúde do UniCuritiba utilizam conhecimento científico para orientar a população sobre a utilização de plantas que curam ou fazem mal à saúde

O uso de plantas medicinais é um hábito passado de geração em geração. Chás, compressas, xaropes, emplastros, inalações, escalda-pés, banho ou gargarejo. Seja qual for a “receita”, os brasileiros costumam utilizar folhas, flores, raízes, frutas, botões e brotos no tratamento de diversas enfermidades.

O problema é que a utilização indiscriminada de plantas pode colocar a saúde em risco. Neste caso, o conhecimento é essencial. Pensando nisso, estudantes da área de Saúde do UniCuritiba – instituição de integra a Ânima Educação, um dos maiores ecossistemas de ensino superior privado do país – realizaram o projeto de extensão “Uso racional de plantas medicinais: uma troca de saberes entre a comunidade e a universidade”.

Orientados pela professora Fernanda Bovo, doutora em Ciências Farmacêuticas, mais de 20 estudantes se envolveram no estudo: Andressa Cardoso, Mateus de Paula, Guilherme Bino, Brunna Rodrigues, Thalita Ribas, Rosangela Rodrigues, Lucio Possar, Eliane Lenhardt, Ana Paula Quitério, Thiago Ribeiro, Lucas de Lima, Ana Carolina dos Santos, Ana Luiza Minhuk, Adriana Rockenbach, Brunna Rodrigues, Eduarda Pereira, Gabriela Siqueira, Lorenzo Zorzenoni, Evelyn Gabriel, Guilherme Maciel, Thiago Maiczak, Giovanna Sniecikoski e Daiane Mello.
Inicialmente, eles analisaram os hábitos e os conhecimentos de um grupo de moradores de Curitiba, tendo como base um questionário sobre o uso de plantas medicinais. As respostas revelaram utilizações equivocadas e que poderiam, inclusive, causar problemas de saúde.

Um exemplo é a babosa, planta cujas folhas se tornam tóxicas se batidas no liquidificador e ingeridas. Os estudantes não só orientaram o público-alvo do projeto sobre o uso racional de drogas vegetais como alertaram sobre a importância da dose utilizada.

A professora Fernanda Bovo explica que há diferenças a serem consideradas. “Uma porção de folhas de determinada planta dissolvida em um litro de água e utilizada em doses diárias de uma colher por dia é bem diferente da mesma porção de folhas dissolvida em um copo de água (250ml) e tomada de uma só vez”, ensina.
Segundo a especialista, o uso de plantas requer atenção especial em vários aspectos. “A temperatura também importa, assim como o fato de ferver a planta junto com a água ou não. Todos esses detalhes fazem a diferença para a saúde.”

Além de orientar a comunidade, os estudantes do UniCuritiba desenvolveram novas receitas com plantas comestíveis, como pão de açafrão, brownie de ora-pro-nóbis, chá antiestresse, entre outras.

Dia Nacional da Saúde e da Farmácia

A escolha do tema do projeto de extensão dos estudantes de Saúde do UniCuritiba não foi em vão. Mesmo com o avanço na produção de medicamentos sintéticos, a utilização de plantas medicinais é um hábito em muitos lares brasileiros. Os fitoterápicos são utilizados, inclusive, em programas municipais de saúde – com acompanhamento profissional – e têm apresentado resultados satisfatórios nos tratamentos.

Graduada em Farmácia e mestre em Patologia Experimental, a professora Fernanda Bovo aproveita o Dia Nacional da Saúde e da Farmácia, comemorados neste 5 de agosto, para reforçar a importância do projeto. “As plantas medicinais são aquelas que apresentam ação farmacológica, ajudando no tratamento e cura de várias enfermidades, mas não devem ser usadas sem conhecimento. Por isso, projetos de extensão com esse foco são sempre importantes.”

Na avaliação da professora, o trabalho dos estudantes do UniCuritiba mostra a conexão entre os saberes acadêmicos e populares. “Esse é o nosso papel: democratizar o saber e usar o conhecimento científico em benefício da sociedade. É gratificante ver os estudantes trabalhando em projetos extramuros, que orientam a população e auxiliam na promoção da saúde e na prevenção de doenças.”

Banco de dados nacional

O uso de plantas medicinais é tão comum no Brasil que o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanginhos/Fiocruz) criou um banco de dados com informações sobre o tema. A plataforma é resultado de um estudo realizado pelo herbário do Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (Cibs) com o apoio da Vice-presidência de Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB/Fiocruz).

O acervo atual conta com 300 espécies de plantas medicinais, que podem ser consultadas por nome popular, científico ou família botânica. As informações estão disponíveis na página da Coleção de Botânica de Plantas Medicinais (http://cbpm.fiocruz.br/index?ethnobotany). O trabalho realizado pela instituição é permanente e o banco de dados é atualizado sempre que uma nova espécie é catalogada.

Receita do pão de açafrão

Ingredientes
• 2 ovos
• 1 colher (sopa) de fermento químico (usado para bolo)
• 12 colheres (sopa) de leite em pó (cerca de 180 gramas)
• 3 gramas de açafrão em pó (uma colher de chá rasa)

Rendimento: 12 pãezinhos

Modo de preparo

Bata bem os ovos. Adicione o fermento químico e misture. Em seguida, junto o pó de açafrão. Misture até que os ingredientes estejam bem incorporados. Adicione 6 colheres (sopa) de leite em pó. Misture bem até que a massa fique homogênea. Depois, adicione aos poucos as 6 colheres de leite em pó restantes. Observe a consistência da massa, que deverá estar no ponto de não grudar nas mãos. Em seguida, faça bolinhas e acomode-as em uma forma untada. Leve ao forno pré-aquecido a 150/180 graus e deixe assar por cerca de 15 a 20 minutos – ou até que os pãezinhos estejam dourados e assados.

Sobre o UniCuritiba

Com mais de 70 anos de tradição e excelência, o UniCuritiba é uma instituição de referência para os paranaenses e reconhecido pelo MEC como uma das melhores instituições de ensino superior de Curitiba (PR). Destaca-se por ter um dos melhores cursos de Direito do país, com selo de qualidade OAB Recomenda em todas as suas edições, além de ser referência na área de Relações Internacionais.

Integrante do maior e mais inovador ecossistema de qualidade do Brasil, o Ecossistema Ânima, o UniCuritiba conta com mais de 40 opções de cursos de graduação em todas as áreas do conhecimento, além de cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Possui uma estrutura completa e diferenciada, com mais de 60 laboratórios e professores mestres e doutores com vivência prática e longa experiência profissional. O UniCuritiba tem seu ensino focado na conexão com o mundo do trabalho e com as práticas mais atuais das profissões, estimulando o networking e as vivências multidisciplinares.

By Mirella Pasqual

Sou jornalista formada pela Universidade Positivo. Sou mãe do Benício e de três vira-latas, o Raj, o Thor e a Mia. Minha coluna fala sobre moda, empreendedorismo e saúde! Sejam muito bem-vindos 😊

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *