Cinco habilidades necessárias para o professor do futuro

O giz que risca a lousa com números, letras e fórmulas ainda é o mesmo, mas a missão de educar tem passado por mudanças significativas ao longo dos séculos, exigindo cada vez mais dos professores a capacidade de se adaptar aos novos tempos. O avanço tecnológico e as diversas abordagens educacionais disponíveis atualmente demandam várias habilidades desses profissionais. O professor do futuro é, ao mesmo tempo, técnico e humano, um profundo conhecedor das ferramentas educacionais e das necessidades emocionais de seus estudantes.

No decorrer dos últimos anos, essas mudanças têm se acelerado ainda mais, tornando-as tão rápidas quanto necessárias. Muitas escolas relatam dificuldades na contratação de educadores em diversas áreas. Para a gerente-geral do CIPP (Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento dos colégios do Grupo Positivo), Maria Fernanda Suss, isso ocorre porque, em uma das profissões mais tradicionais e respeitadas do mundo, é desafiador acompanhar a velocidade das transformações atuais. “Hoje, buscamos profissionais capazes de se manter em constante formação afetiva e pedagógica, o que não é uma tarefa simples. Portanto, é também responsabilidade da escola contribuir para que os professores tenham a oportunidade de conhecer e dominar as novas ferramentas, ao mesmo tempo em que desenvolvem suas habilidades interpessoais”, afirma. A especialista lista cinco habilidades indispensáveis para o professor do presente – e do futuro.

Aprimoramento constante: o desafio/missão do profissional de educação no presente, para permanecer na sala de aula do futuro, é estar sempre em desenvolvimento, aprimorando o olhar e a prática pedagógica para dar conta dos diferentes públicos que encontrará na comunidade escolar. “A profissão de professor precisa ser sinônimo de pesquisador; de profissional crítico, reflexivo e criativo em relação à sua prática”, explica.

Empatia e relacionamento interpessoal: “É fundamental que os professores estabeleçam relações empáticas com os estudantes, compreendendo suas necessidades, interesses e motivações. Criar um ambiente de aprendizado positivo e de confiança é essencial para promover um engajamento significativo dos alunos”, ressalta Maria Fernanda.

Criatividade e inovação: a capacidade de desenvolver atividades de aprendizado criativas e inovadoras é crucial para envolver os estudantes e tornar o processo de ensino-aprendizagem mais estimulante e eficaz. Os professores devem estar abertos a experimentar abordagens novas e criativas em suas aulas.

Uso adequado da tecnologia: o uso adequado da tecnologia no ambiente escolar permite que os estudantes usufruam de forma consciente dos recursos tecnológicos. Para que essa experiência seja eficaz, é fundamental que o professor planeje cuidadosamente o uso da tecnologia em sala de aula, garantindo que seja significativo para o processo de aprendizagem dos estudantes. Nesse cenário, a tecnologia deve ser vista como uma ferramenta facilitadora que complementa e enriquece o ensino, mantendo o foco na aprendizagem significativa e no desenvolvimento integral dos alunos.

Reflexão crítica e conhecimento pedagógico: “Os professores devem ser capazes de refletir criticamente sobre suas práticas de ensino, questionando constantemente suas abordagens e buscando maneiras de aprimorar a aprendizagem dos alunos, com foco no desenvolvimento de habilidades cognitivas que permitam aos estudantes desenvolverem o pensamento crítico e a ação. Isso envolve uma análise profunda e contínua das próprias ações e dos resultados alcançados ao longo do processo de aprendizagem”, conclui Maria Fernanda.

By Mirella Pasqual

Sou jornalista formada pela Universidade Positivo. Sou mãe do Benício e de três vira-latas, o Raj, o Thor e a Mia. Minha coluna fala sobre moda, empreendedorismo e saúde! Sejam muito bem-vindos 😊

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *