FAE promove evento sobre empoderamento feminino

Há alguns anos o termo “empoderamento feminino” vem ganhando mais popularidade e notoriedade. Mas a luta pela igualdade entre homens e mulheres é antiga. Talvez você não saiba, mas em 1932 a mulher brasileira conquistou o direito opcional ao voto, que só se tornou obrigatório catorze anos mais tarde, em 1946, e esse é apenas um exemplo. A Organização das Nações Unidas (ONU) apresenta muitos outros bem atuais, como questão salarial, evasão escolar e carreira, entre outros, que a levam a afirmar que o crescimento sustentável só será possível quando homens e mulheres forem igualmente beneficiados.

Pensando nisso, alunas do curso de Administração da FAE, por meio da disciplina de Desenvolvimento de Capital Humano, decidiram escolher cinco cases para serem divididos com as pessoas no evento “Deixe-as brilhar”. A intenção é dar mais um passo rumo ao empoderamento da mulher. O evento, que acontece nesta quinta-feira (28), é gratuito e acontece do auditório da FAE Business School, Avenida Visconde de Guarapuava, 3263. As inscrições devem ser realizadas previamente pelo site www.fae.edu. Mais informações pelo telefone 0800 727 4001.

 

Empoderamento feminino

A palavra “empoderamento” vem do inglês “empowerment” e pode significar também encorajamento. Ou seja, empoderar a mulher nada mais é do que dar a ela informação a respeito dos seus direitos e condições para que possa viver em caráter de igualdade com os homens. A mulher e o homem têm diferenças biológicas, que nada devem influenciar em questões sociais, econômicas e/ou políticas. Igualdade de gênero é direito de todas as mulheres e dever de homens e mulheres.

 

ONU

Às vésperas do Dia Internacional da Mulher deste ano, a ONU lançou o relatório “Transformando Promessas em Ação: Igualdade de Gênero na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Nesse documento, a Organização das Nações Unidas faz revelações importantes acerca das diferenças de gênero, ocorridas em todo o mundo. Essa falta de equidade, de acordo com o órgão mundial, compromete a efetivação dos direitos humanos, impacta no desenvolvimento sustentável e impede a erradicação da pobreza.

  • A diferença de salário, entre homens e mulheres que ocupam a mesma função pode chegar a 23%.
  • Uma em cada três mulheres/meninas sofre violência física/sexual durante a vida.
  • Há 34 milhões de meninas fora da escola fundamental em todo o mundo.

 

Outros dados

  • No Brasil, conforme a Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios Contínua (Pnad), 26,1% das meninas que deixam a escola é para se dedicar ao cuidado de outras pessoas ou aos afazeres domésticos.
  • Inúmeras pesquisas também apontam a gravidez na juventude como uma relevante causa de evasão escolar.

 

Palestrantes

Tatiane Herreira – Enfermeira graduada pela UFPR, mestra em Enfermagem pela mesma instituição, doutora em Ciências da Saúde (Enfermagem) pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP) e especialista em Enfermagem Obstétrica pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Atualmente é professora adjunta do Departamento de Enfermagem na área Materno-Infantil.

Ariane Santos – Formada em Administração pela UFPR, é fundadora da Badu Design, negócio social que produz papelaria artesanal em tecido, com a reutilização de resíduos têxteis de indústrias e de confecções, além de atuar no empoderamento feminino, com o objetivo de contribuir para erradicar a pobreza.

Vera Regina Meinhard – Graduada em Administradora pela FGV – EAESP em São Paulo, especialista pela HEC em Paris no Programme International du Management e mestranda na ISAE FGV em Governança e Sustentabilidade. Possui 27 anos de experiência como executiva internacional (França, Brasil, Argentina, Chile) em liderança de equipes, gestão de mudanças, gestão de projetos e formação de gestores.

Natalie Unterstell – Formada em Administração pela FGV e mestra em Administração Pública pela John F. Kennedy School of Government da Universidade de Harvard. Foi escolhida como líder ambiental pela Harvard em 2015. É engajada em diversos movimentos relacionados a mudanças climáticas, como Infra2038, Talanoa e o Grupo de Financiamento Climático para a América Latina e Caribe.

Giselli Hümmelgen – Formada em Letras pela UFPR, tem mestrado em Educação pela USF e pós-graduação em Administração pela FAE. É diretora do Conselho Editorial da Editora Bom Jesus e membro do Grupo de Trabalho das Editoras Católicas da Anec (Associação Nacional de Educação Católica do Brasil). É gerente pedagógica da Educação Básica do Grupo Educacional Bom Jesus e da Editora Bom Jesus.

 

Deixe-as brilhar

Quando? Quinta-feira – 28 de junho

Onde? Na FAE Business School – Avenida Visconde de Guarapuava, 3263 – Centro – Curitiba/PR

Que horas? 19h

Quanto custa? Gratuito

Inscrições: www.fae.edu/eventos

Informações: 0800 727 4001

Novidades